FESTA DE SÃO SEBASTIÃO É CANCELADA, A PARTE PROFANA

           Para reorganizar a cidade de Belo Jardim, João Mendonça e sua equipe precisará mais do que um milagre.  Com dívidas estratosféricas e uma cidade sucateada, é critico o real quadro da Prefeitura de Belo Jardim.

Para fazer uma gestão exemplar e colocar o  município no ritmo do crescimento e do desenvolvimento que vive o Estado de Pernambuco,  JM reúne secretários e coloca na mesa os dados de uma cidade arruinada. Dívidas com:  INSS, CELPE, COMPESA, PRECATÓRIOS, FOLHA DE PAGAMENTO e etc.

Uma medida drástica, mas consciente, foi tomada pelo Prefeito, vice-prefeito e secretários, e por unanimidade após votação, foi aprovado soberanamente o cancelamentos dos festejos “profanos” da festa do dia 20 de janeiro, já que a parte religiosa deverá ser mantida pela igreja.

Com uma saúde que pede socorro, o lixo que toma conta das ruas (apesar do esforço em retirá-lo) e o abastecimento de  água na zona rural, que vive outro caos, deu-se prioridade as necessidades básicas dos belojardinenses, ao invés de gastar o dinheiro público com festividades.

             Para JM, não foi uma notícia boa, principalmente por ser um prefeito que gosta de festas, mas precisou tomar conhecimento dos números e acatar a decisão tomada por sua equipe.

Belo Jardim deve hoje mais de 33 milhões de reais, ou seja, a cidade está literalmente quebrada. Em épocas de crise como esta, o político que tem espírito público tem que ter consciência e buscar sanar os problemas.  JM teve que se curvar a decisão tomada, pois ou cuida da cidade, ou deixa a desordem imperar.
Por ser uma equipe comprometida e que busca os melhores resultados para o município, cientes das dificuldades encontradas em suas secretarias, os secretários chegaram a um consenso e foram unânimes em cancelar a festa. 
 Os primeiros números mostram que a prefeitura tem um débito de R$ 33.558.060,03. A saúde de nossa cidade tem vivido momentos difíceis, além da seca que castiga todo o nordeste, afetando não só o abastecimento de água aos moradores dos sítios e distrito, mas  também da zona urbana. “Uma festa como essa tem um gasto de aproximadamente 200 mil reais e diante da real situação do município precisa-se fazer economia”, afirmou toda a equipe.

 
Tabela de relatórios de débitos:



            JM, como disse no discurso de posse, não vai estar com denuncismo, nem parar a máquina para fazer auditoria, pois isso cabe ao Ministério Público e autoridades competentes, mas vai expor a sociedade o débito encontrado até agora, que é herdado por ele e pela população belojardinense.

Foi definido que, devido a grande quantidade  de pedidos de empregos, ninguém vai fazer empreguismo, por isso será suspenso o recebimento de currículos para não gerar falsas expectativas naqueles que buscam uma carreira em órgão público.

JM não pretende fazer empreguismo desenfreado, já que foi justamente isso o causador maior de todos os débitos herdades, visando assim soerguer a candidatura do DEM, o verdadeiro causador de todo esse passivo financeiro.
“Comento, que a atitude do prefeito e quipe foi louvável, pois já se vê uma outra atmosfera na cidade, o hospital já começou a atender seus pacientes, os médicos voltaram a trabalhar, as filas desapareceram e o lixo começou a ser retirado das ruas, sendo assim, as festas podem esperar”.

Escrito por Jadilson Gonçalves.

Postado por Jadilson Gonçalves

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.